SOCIAL
To Top

Fest.AR – Graffitis Apagados de São Paulo pode ser conferido em circuito a pé até 28/12

Com participação de 13 artistas da cena de arte urbana da cidade, o evento resgata obras apagadas pelo tempo e utiliza a tecnologia de realidade aumentada para gerar interação com o público

Reconhecida mundialmente por sua relevância na cena de arte urbana, São Paulo recebe a primeira edição do Fest.AR – Graffitis Apagados de São Paulo, que conta com a participação de obras de artistas das diferentes linguagens da arte urbana que marcaram a vida cultural da cidade nas últimas quatro décadas. “Um celular na mão, uma nova perspectiva em arte” é a proposta do festival, que ocorre até 28 de dezembro em um circuito virtual que, para ser experienciado, precisa ser realizado em uma caminhada pelas ruas da capital paulista. Para vivenciar o Fest.AR, o interessado precisa baixar gratuitamente o aplicativo em seu celular.

O Fest.AR é um evento icônico por promover o resgate do patrimônio histórico cultural de São Paulo a partir da refação virtual de obras efêmeras como graffiti, lambe- lambe, letras, bombing, serigrafia e estêncil, em pontos da Avenida Paulista, Rua da Consolação e centro, que foram apagadas pelo tempo e pelo movimento natural desta grande cidade. O aplicativo indicará os locais dos antigos grafittis através de geolocalização. Ao direcionar seu celular para o local indicado, será possível visualizar a obra que um dia esteve naquele local, fotografá-la e filmá-la, inclusive, consigo no cenário, como se fosse realidade atual, proporcionando um encontro dos tempos.

Obra do artista Jaime Prades “Grande Transformação”, de 1987, está na passagem Paulista/Rebouças, lado direito, trecho central e pode ser conferida virtualmente

Idealizado pela artista multimídia Giovanna Graziosi Casimiro – que é pesquisadora em em memória digital e patrimônio contemporâneo, especialista em experiências com múltiplas plataformas e indústria de XR -, o festival traz ainda curadoria da produtora cultural Vera Santana, co-curadoria da artista Prila Maria e realização da MOVA. “O Fest.AR é um encontro intergeracional da arte urbana paulistana, que traz a possibilidade mágica da obra de Jaime Prades, realizada em 1987, estar presente no mesmo tempo em que são apresentadas as letras politizadas da OPS(Vismoart) feitas em 2018”, comenta Vera Santana. Também compõem essa linha do tempo cultural as obras geométricas de 6emeia, os lambe-lambe marcantes de Bueno Caos, o “veracidade” de Mauro Neri, o graffiti de Nina Pandolfo (uma das primeiras mulheres a ter reconhecimento na cena urbana), a empena vibrante de Nove, a Escrita de Rua de Loba Gi -, o graffiti de Rui Amaral, a serigrafia de SHN, a pintura de Subtu, as letras de Sujeitas e o graffiti de Tinho .

“O processo curatorial buscou valorização e a reunião das diferentes linguagens da arte urbana de São Paulo, que consistem em um patrimônio histórico do município, promovendo um diálogo da cultura com a população e a própria cidade, de uma maneira diferente do que já foi feito até agora, respeitando e integrando todas as linguagens da rua”, continua Vera Santana, que também coordenou o trabalho de pesquisa histórica e imagética que norteou a linha curatorial do festival.

Para Giovanna Graziosi Casimiro, idealizadora do Fest.AR , “o festival traz uma reflexão muito importante sobre a preservação do patrimônio histórico da nossa contemporaneidade, incluindo a efemeridade da arte urbana como marco da característica cultural de São Paulo. Tanto o estudo quanto o resgate da memória só puderam ser realizados trazendo a tecnologia como aliada neste trabalho”.

Serviço:

As obras podem ser conferidas nos seguintes endereços:

6emeia: suas obras Rádio Popular e Tetris, criadas em 2010, estão na Praça, situada na Esquina da Rua Treze de Maio e Avenida Paulista, próximo a Japan House;

Bueno Caos: Os leitores (série) – Judeu e Muçulmano, de 2016, pode ser conferida no Casarão da Rua Itacolomi nº 254, e Marielle, de 2018, na Rua Amaral Gurgel nº 720;

Jaime Prades: “Grande Transformação”, de 1987, (na passagem Paulista/Rebouças, lado direito, trecho central) e Foguete vermelho, de 1987 (no trecho final da passagem Paulista/Rebouças, lado direito), foram reativadas;

Loba Gi: obra “+ cultura/ Educação transgressora-libertária”, de 2018, pode ser acessada na Rua da Consolação n°1289;

Mauro Neri: A obra “Qual verdade”, de 2013, foi reativada na Praça Roosevelt;

Nina Pandolfo: o graffiti Caixa d’água, de 2003, pode ser conferido na Rua da Consolação, nº 2514 (cobertura);

Nove: “Lembranças de uma doce primavera”, de 2014, pode ser revisitada na Rua da Consolação nº 2514 , lateral do prédio

OPS(Vismoart): obra “Fora…” de 2017, foi recuperada em realidade aumentada na Passagem Literária (Rua da Consolação, esquina com a Avenida Paulista);

Rui Amaral: “O intusiamo de Anunnaki”, de 2012, é recuperada em realidade aumentada e está localizada na Av. Paulista,nº 568;

SHN: as obras Avenida Paulista, de 2017, está na Av. Paulista, nº 2240, e Banca do Copan, de 2015, na R. Araújo, nº 200 – República, foram reativadas;

Subtu: “Amor de mãe” de 2013, foi reativada em realidade aumentada e pode ser vista no túnel da Paulista;

Sujeitas: “3h da Madruga”, de 2019,está na Rua da Consolação, nº 1906;

Tinho: a obra “Entre o amor e a liberdade”, de 2016, pode ser acessada em frente ao Cine Petra Belas Artes – Rua da Consolação, nº 2423.

Redes do Fest.AR
Instagram: https://www.instagram.com/_fest.ar/
Site: www.festar.art.br

O aplicativo Fest.AR está disponível na Google Play e na Apple Store.
Para acessar as obras participantes do 1º Fest.AR, clique aqui

Sobre MOVA
MOVA é uma produtora cultural composta por um time de mulheres sempre em movimento para realizar experiências que conectam e geram resultados, tendo como pilares em suas atividades a Cultura, Diversidade e Inovação Social.

Sobre a curadora Vera Santana
Mãe da Bia, Alice e Nina, Vera é produtora cultural há 20 anos. Graduada em Eventos Culturais, pós graduada pela USP em Gestão de Projetos e Cultura Latinoamericana. Entre as realizações recentes estão a Curadoria de artes visuais para a Feira Preta – O maior Festival de Cultura Negra da América Latina, a produção do Grafitti Pindorama – de Rimon Guimarães para a Converse. Além de atuar nas várias linguagens da Cultura Independente, também atuou como coordenadora de público e diversidade no Theatro Municipal de São Paulo. Atualmente é curadora de artes visuais na Cecília Cultural, e coordena o Gentilização, uma startup de práticas que combate fobias sociais.

Sobre a idealizadora Giovanna Casimiro
Giovanna é artista multimídia, atua em design digital em múltiplas plataformas e tem como campo de pesquisa a memória digital e o patrimônio contemporâneo. Foi a partir de sua paixão pelo mundo das artes e da tecnologia que ela chegou à proposta de reativar graffitis apagados da cidade de São Paulo, em um debate político e estético pertinente ao tempo presente.

 

 

 

Por Carol Bressane

Imagem: Divulgação

 

 

 

Envie informações, fotos, vídeos, novidades, lançamentos, denúncias e reclamações para a equipe do Grupo Multi pelo WhatsApp 11 9 9511.5824, por e-mail no redacao@grupomultimidia.com.br ou entre em contato pelo (41) 3235.5015.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Acontece

A Revista USE é uma publicação inédita no Brasil sobre o design intrínseco nas mais variadas peças do mobiliário, decoração e artigos de desejo que traduzem nossa relação com o mundo e tudo o que nos cerca.

Portal - No portal vocês poderão conferir notícias atualizadas diariamente sobre o mundo da decoração, suas inovações e tendências.

Revista - Com publicação quadrimestral, a revista impressa reúne o que há de mais inusitado do mundo do design com distribuição em todo Brasil, tem duas versões: impressa e digital.

Revista USE. 2017 - Todos os direitos reservados.