SOCIAL
To Top

Andrey Guaianá Zignnatto reflete sobre ancestralidade indígena em mostra no Solar da Marquesa de Santos

Série de trabalhos equaliza lembranças do artista sobre a vida urbana e experiência como pedreiro com suas memórias ancestrais indígenas. O projeto CO YBY ORE RETAMA foi contemplado com o prêmio de artes visuais do PROAC 2020 Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo

A construção do lar a partir de memórias afetivas é tema constantemente presente na vida e trabalho de Andrey Guaianá Zignnatto. Para a exposição CO YBY ORE RETAMA [Esta Terra é Nosso Lugar], em cartaz a partir de 25 de setembro no Museu da Cidade de São Paulo – Solar da Marquesa de Santos, o artista equilibra forças de universos distintos – vida urbana e ancestralidade indígena – para reconstruir um Tekoa [lar] de fôlego em tempos de sufocamento. Com curadoria assinada por Sandra Ará Reté Benites e produção de Ellen Navarro, são exibidas obras em diversos suportes, como escultura, instalação, performance, vídeo arte, objetos, pintura e fotografia, que se utilizam de materiais como concreto, cerâmica, saco de cimento, jenipapo, carvão e livros, misturando a vida urbana com o universo das aldeias.

A escolha do Solar da Marquesa não aconteceu por acaso: o centro cultural está localizado onde antes do período colonial paulista foi Inhapuambaçu, aldeia Tupinaky’ia da qual Zignnatto é descendente por parte de pai e que sofreu apagamento total de seu universo ancestral.

O artista também possui ancestralidade indígena por parte de mãe, dos Guarani Mby’a, povo que o auxilia num processo pessoal de retomada como aba [homem] indígena. “Apoiado sobre essas poucas memórias que me sobram como herança, na arte e suas muitas potencias, me esforço para desenvolver um processo de reflorestamento do universo ancestral de minha família, onde este esforço se inicia no território de meu próprio pensamento e espírito e toma forma em meu trabalho”, reflete o artista.

Os trabalhos são frutos das memórias afetivas da época em que o artista trabalhou como pedreiro, dos 10 aos 14 anos de idade, e das memórias ancestrais de sua família indígena Tupinaky’ia e Guarani. “A arte é o meio possível que encontrei para equalizar as memórias afetivas de minha vida urbana e de minha experiência como pedreiro participante da construção de cidades com minhas memórias ancestrais indígenas”, comenta Andrey.

Sobre as obras

A série ALICERCE exibe esculturas produzidas com placas e pilares de concreto apoiados sobre vasos cerâmicos indígenas. Os grandes e pesados objetos geométricos de concreto deformam os vasos que os sustentam, demonstrando o embate entre o moderno e os povos originários.

Já em ABAPORU #1, o trabalho traz um tríptico composto por uma folha de papel reciclado tingido de preto com jenipapo, um documento de autenticidade de um desenho de Tarsila do Amaral e um comprovante de compra de um exemplar original da Revista de Antropofagia. A folha de papel reciclado é produzida pelo trituramento em liquidificador do desenho de Tarsila e o exemplar da revista. Depois, é tingida com jenipapo, como sinal de luto perpétuo.

“A obra de um artista indígena é uma obra que vem da tentativa de tradução da luta indígena em prol do território físico e do espaço subjetivo do pensamento. Essa obra é muito especial por conta disso, porque ela traduz esse movimento de resistência, de sobrevivência e de expansão nesses espaços”, pontua a curadora Sandra Ara Rete Benites.

————————————————————————————————————————————————————————

VEJA: Carlos Mélo reflete sobre o Nordeste em exposição inédita na Galeria Kogan Amaro

————————————————————————————————————————————————————————

CO YBY ORE RETAMA propõe, para além de um retorno ao lar do artista, um convite para o público habitar este Tekoa em território físico, mental e espiritual desenvolvido por Andrey. Ainda de acordo com Sandra, “a importância do coletivo para o indivíduo e do indivíduo para o coletivo é essencial na arte indígena. A obra é materializada pelo indivíduo, mas o pensamento é um processo que ocorre no coletivo. Apesar da obra de Andrey falar do processo histórico de sua família, ela fala também por todos os demais indígenas que foram soterrados nas cidades por toneladas de concreto e indiferença”.

A mostra se estende para outros três espaços da cidade de São Paulo: Galeria Janaina Torres, Atelie Alê e Museu Casa Sertanista, complementando os trabalhos principais da pesquisa no Solar da Marquesa. A exposição na Janaina Torres, a partir de 9 de outubro, marca a inauguração do novo espaço da Galeria na Santa Cecília.

Sobre Andrey Guaianá Zignnatto

Artista autodidata, professor de artes visuais e ativista de projetos sociais, trabalhou como ajudante de pedreiro dos 10 aos 14 anos de idade. Descendente de Tupinaky’ia e Gûarini, faz dessas memórias afetivas e ancestrais a base para o desenvolvimento conceitual e métodos usados na sua produção artística.

Participou de exposições, entre individuais e coletivas, em museus, centros culturais e galerias de arte no Brasil, EUA, Emirados Árabes, Colômbia, Inglaterra, Itália, Peru e Argentina. Entre algumas das exposições mais importantes estão: ‘Territórios Forjados’ Sharjah Art Museum [2016]; ‘Territórios Forjados’ Sketch Art Gallery – Colômbia [2016]; ‘Territórios Forjados’ Paço das Artes SP [2015]; ‘Arte e Patrimônio’ Paço Imperial RJ [2015]; ‘Deslocamentos’ Blau Projects galeria de arte [2015]; ‘Estudos Para Novas Propostas de Interpretação do Espaço Físico’ Funarte SP [2015]. Contemplado com 2 prêmios do Ministério da Cultura, sendo 1 pela Funarte e 1 pelo IPHAN [2014 e 2015]; 3 prêmios da Secretaria de Estado da Cultura de SP pelo PROAC [2014, 15 e 17]; 1 prêmio do 18º Festival Cultura Inglesa, e indicado para o prêmio Jameel Art Prize do Victória & Albert Museum da Inglaterra [2017].

Desde 2002, realiza oficinas de arte para projetos humanitários que apoiam pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social, para refugiados da guerra civil na Síria e Líbano, refugiados da Venezuela, crianças órfãs do Abrigo Nossa Casa, Casa da Fonte, Centro de Referência do Idoso, Centro de Referência da Assistência Social, Centro de Apoio Psicossocial adulto e infantil, moradores da Rua Helvetia [região da Cracolândia SP], prostitutas e ex-prostitutas atendidas pela Associação Magdala, Centro de Detenção Provisória Bandeirantes entre outros.

Serviços:

CO YBY ORÉ RETAMA [Essa Terra é o Nosso Lugar] de Andrey Guaianá Zignnatto
Curadoria: Sandra Ará Reté Benites
Produtora: Ellen Navarro
Local: Museu da Cidade de São Paulo Solar da Marquesa de Santos
Abertura: 25 de setembro, sábado, das 10h às 17h
Período expositivo: 25 de setembro de 2021 a 15 de março de 2022
Endereço: R. Roberto Símonsen, 136 – Centro Histórico de São Paulo
Horário: terça à domingo, das 11h às 15h
Entrada gratuita

CO YBY ORÉ RETAMA [Essa Terra é o Nosso Lugar] de Andrey Guaianá Zignnatto
Curadoria: Sandra Ará Reté Benites
Produtora: Ellen Navarro
Local: Galeria Janaina Torres
Abertura: 9 de outubro, sábado, das 10h às 17h
Período expositivo: 23 de outubro de 2021 a 11 de dezembro de 2022
Endereço: Rua Vitorino Carmilo, 427, Santa Cecília
Horário: terça à sexta, das 11h às 18h e sábado das 11h às 15h
Visitas com hora marcada via WhatsApp: + 55 11 98121.7099 ou e-mail galeria@janainatorres.com.br

 

 

Por Laura Jabur – a4&holofote comunicação

Imagem: Divulgação

 

 

—————————————–

Somos o Grupo Multimídia, editora e agência de publicidade especializada em conteúdos da cadeia produtiva da madeira e móveis, desde 1998. Informações, artigos e conteúdos de empresas e entidades não exprimem nossa opinião. Envie informações, fotos, vídeos, novidades, lançamentos, denúncias e reclamações para nossa equipe através do e-mail redacao@grupomultimidia.com.br ou entre em contato pelo (41) 3235.5015.

Conheça outros de nossos canais do setor:

www.madeiratotal.com.br
www.revistavarejobrasil.com.br
www.megamoveleiros.com.br
www.revistause.com.br

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Acontece

A Revista USE é uma publicação inédita no Brasil sobre o design intrínseco nas mais variadas peças do mobiliário, decoração e artigos de desejo que traduzem nossa relação com o mundo e tudo o que nos cerca.

Portal - No portal vocês poderão conferir notícias atualizadas diariamente sobre o mundo da decoração, suas inovações e tendências.

Revista - Com publicação quadrimestral, a revista impressa reúne o que há de mais inusitado do mundo do design com distribuição em todo Brasil, tem duas versões: impressa e digital.

Revista USE. 2017 - Todos os direitos reservados.